12.06.2011

A alma russa


A alma, como toda a gente sabe, não se vê nem se apalpa, assim temos de procurar a alma russa na literatura clássica russa ou, melhor ainda, na análise a essa literatura feita pelos peritos ocidentais em alma russa. A alma russa, só para dar um exemplo comezinho, é como --- em maior --- a saudade tipicamente portuguesa  que também não se vê nem se apalpa, a não ser no fado, agora património. Mas o fado, dadas as suas origens, é canalha, e a alma russa, asfixiada mas nunca esganada até ao fim pelos bolcheviques, é mais do que boa pessoa, é sublime. A alma russa, mesmo coberta de farrapos, é rica (não tanto como Pútin e os magnatas oligarcas, mas esses, ao que consta, não têm alma), é diversa, é morta (Gógol), luminosa e obscura, é infinitamente nobre e infinitamente mesquinha, «uma alma gorda e gulosa, descarada e divertida, ávida e sem cerimónias, brincalhona quando é lucrativo e soturna quando não o é» (Petruchévskaia), assassina, cruel, exploradora, mas também bondosa, tchekhoviana, generosa. É puta, é santa. O fado, mesmo património, não lhe chega aos calcanhares, a alma russa ouve um fado e ri-se, cospe-lhe na cara. É arrogante como o seu querido filho pródigo Volódia Nabokov. Ou humilha-se como o último dos eremitas do Baikal. Há almas russas que ainda trazem o diabo bexigoso e bigodudo no corpo. É uma alma de primeira e bem merece estar lá, a letras de ouro, na literatura deles e na nossa. Que não desanime porém a alma lusa (saludos CR7 y Mou), que não se desalme. Alma, todos temos uma, até os fantoches merkelianos, tenhamos fé.

3 comentários:

Sun Iou Miou disse...

.

-pirata-vermelho- disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
-pirata-vermelho- disse...

... mas está enganada!
A alma russa vê pouco no fado até o olhar por dentro e então tenta cantá-lo mas não cospe, como diz.
A 'atormentada alma russa' ri e chora, muito, mas raramente cospe.

contacto: